Família

09/05/2016 08h00

Esses bichos companheiros...

Animais de estimação têm grande importância na vida familiar, principalmente para crianças, idosos e pessoas com necessidades especiais, afirmam especialistas e confirmam as pesquisas. Leia e surpreenda-se.

Por Nosso Bem Estar

Arquivo Nosso Bem Estar
Bde jun 12 930929 19110610

“Os bichos fazem companhia, melhoram a qualidade de vida, não só de pessoas com algum problema de saúde, mas também das famílias"

Quem tem ou já teve um bicho em casa sabe: eles são companheiros leais, carinhosos e nos fazem sentir muito amados, inclusive naqueles dias em que não estamos tão bem. Os benefícios da interação com os animais, entretanto, vão muito além.  Pesquisas científicas realizadas em diversos países comprovam que a empatia gerada pelo contato com um animal produz uma série de reações positivas no organismo, como baixar as taxas de colesterol, de triglicérides e a pressão arterial. É o efeito do afeto imediato que eles despertam em nós.

TERAPIAS COM ANIMAIS

Graças a essa habilidade especial, cada vez mais profissionais de saúde têm recorrido à ajuda dos bichos para tratar pacientes com problemas físicos e emocionais. É o caso da psicóloga Kátia Aiello, de São Paulo, que trabalha com terapia assistida por cães. “São muitos os benefícios da utilização de animais para fins terapêuticos. No caso da psicoterapia, o cachorro funciona como um catalisador das emoções do paciente e pode ajudá-lo a enfrentar questões dolorosas e a se comunicar melhor com o terapeuta.”

Além de desenvolver um trabalho clínico, Kátia também é treinadora de cães terapeutas e faz parte da ONG Inataa (Instituto Nacional de Ações e Terapias Assistidas por Animais), que realiza visitas de profissionais voluntários a asilos e hospitais, usando cães para interagir com os pacientes.

Embora no Brasil essas iniciativas ainda sejam discretas, intervenções assim são bastante reconhecidas no exterior. Um dos maiores defensores da TAA é o cientista comportamental Dennis Turner, presidente da IAHAIO (Associação Internacional das Organizações para a Interação Homem- Animal), que organiza congressos em todo o mundo para divulgar os resultados benéficos desse tipo de terapia. Ele afirma que a simples convivência com bichos de estimação já aumenta o bem-estar físico e emocional de seus donos, diminuindo as sensações de tristeza, solidão e ansiedade.

AMOR INCONDICIONAL

Segundo o veterinário homeopata Mauro Lantzman, especialista em comportamento animal e professor da Faculdade de Psicologia da PUC/SP, conviver com um animal de estimação traz conforto e tranquilidade. “Os bichos fazem companhia, melhoram a qualidade de vida, não só de pessoas com algum problema de saúde, mas também das famílias, pois favorecem o contato e a comunicação entre seus membros”, explica. Mais do que isso: eles enchem nosso coração de afeto.

Uma pesquisa realizada no Japão com dezenas de mulheres comprovou que, após adotarem filhotes, elas passaram a produzir mais ocitocina. Conhecida como hormônio do amor, a substância é responsável pela sensação de alegria gerada quando a mãe dá à luz o bebê e quando ela o amamenta. Esses benefícios são comprovados diariamente por pessoas que tiveram a vida transformada positivamente depois que passaram a conviver com os bichos.

O animal de estimação cumpre um importante papel, pois divide a vida cotidiana com numerosas famílias, faz parte do lar, pode ser mimado, acariciado, compartilha passeios, férias, se tornando confidente, companheiro e até nos permitindo a conectarmos com outras pessoas.

Estudos têm mostrado que acariciar um animal é relaxante, pode diminuir a frequência cardíaca e pressão arterial e que a sua presença torna o tratamento de doenças mais suportável. As vítimas de ataques cardíacos, tendo um animal de estimação, têm mais chance de remissão. Além disso, crianças e adultos podem gerenciar mais facilmente as suas emoções quando estão na companhia dele, sem contar que os seus donos realizam mais exercícios físicos. Segundo a Etho News, depois dos anos 70, etnólogos, veterinários, psicólogos, psiquiatras e médicos começaram a prestar atenção na influência que o animal tem sobre o ser humano, seja no social, emocional e até mesmo fisiológico. Na relação com as crianças, o animal está atento às suas emoções e pode, muitas vezes, aceitar e apoiar uma série de atitudes, tanto a sua agressividade, como seus abraços. Sensível ao estado emocional, suas alegrias e seus problemas, ele é um confidente incansável. Por sua presença e atividade, o animal também está buscando os sentidos e estimula as habilidades motoras da criança. Ele, finalmente, desperta para a natureza e incentiva tornar-se “responsável”.

UMA COMPANHIA QUE SÓ FAZ BEM

Na relação familiar o animal pode conviver com a família por muitos anos, visto que, em média, sua expectativa de vida é dez anos, às vezes mais. É uma fonte de fixação, pois facilita a comunicação entre os membros da família de todas as gerações. Ele não julga, por vezes, atua como um substituto quando um parceiro não está disponível. Também pode arbitrar os problemas do casal, ‘neutralizando’ os atritos e desviando a atenção para ele. O animal de estimação oferece suporte à ausência de algum membro da família, ao brindar com seu afeto, sem pedir nada em troca, facilita a comunicação e reduz o estresse através de seu incentivo para jogar e atividades de recreação.

Muito se questiona sobre como melhorar a qualidade de vida de idosos. Discussões e vários projetos estão se multiplicando sobre o assunto e a questão da presença do animal de estimação sendo mais estimulada. Sabemos que, muitas vezes, o último elo com a vida ou com o “outro” é através dele. Histórias curiosas relatam fortunas deixadas para esses animais, pois seus donos acreditavam que nenhum humano seria merecedor de sua herança.

A relação dos  animais com pessoas com necessidades especiais é cada vez mais frequente, pois vários são capazes de guiar pessoas com deficiência visual ou motora, bem como ajudando em tarefas domésticas para dar conforto a pacientes paraplégicos. Os animais sempre parecem incansáveis e de bom humor, alegrando e acompanhando o cotidiano difícil do portador de necessidades especiais.

Portanto, vamos despertar a nossa  humanidade para o cuidado com os animais, lembrando que o poder público também deve direcionar parte de suas ações à proteção, cuidado e preservação, por serem essenciais para  a vida do planeta. 

X