Crescimento pessoal

16/07/2015 09h23

Tv Perigo!

Pesquisas trazem conclusões sinistras sobre o sedentarismo em frente ao eletrodoméstico preferido das pessoas

Por Nosso Bem Estar

DollarPhotoClub/NBE
Fa jul dollarphotoclub 71896054

A TV afasta as pessoas

A televisão há décadas se transformou no centro das atenções das casas, quase uma entidade onipresente, não mais apenas na sala, mas em diversas peças, inclusive nos quartos. Muitas pessoas passam o dia inteiro com ela ligada, na maior parte do tempo zapiando por horas a fio, meio que hipnotizadas. Se você se identificou com essa cena, leia importantes pesquisas sobre os riscos de doenças ligadas ao excesso de exposição a esse aparelho eletrônico.

DIABETES E TELEVISÃO

Pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, calcularam que a cada hora que passamos sentados, o risco de ter a doença aumenta em 3,4%. A descoberta foi publicada no periódico Diabetologia.

Para chegar a essa conclusão, a equipe de cientistas se baseou nos resultados do Programa de Prevenção de Diabetes, um estudo americano realizado com 3.234 adultos acima do peso, que, por sua condição física, apresentavam mais riscos de desenvolver diabetes tipo 2.

Durante o programa, os participantes foram divididos em três grupos, que seriam submetidos a diferentes abordagens de prevenção: o primeiro recebeu um placebo, o segundo foi tratado com metformina (um medicamento para diabetes) e o terceiro passou por uma mudança no estilo de vida, que consistia em realizar uma hora e meia de atividade física moderada durante a semana.

No início do programa, os participantes foram questionados sobre o tempo médio que gastavam diariamente assistindo à televisão. A média, em todos os grupos, foi de duas horas e meia. Quando, depois de três anos, a pergunta foi repetida, aqueles que passaram pela mudança no estilo de vida foram os que mais reduziram o tempo gasto em frente ao aparelho - uma redução de 37 minutos, contra apenas 6 minutos no grupo da metformina e 9 minutos no do placebo. O risco de desenvolver diabetes naquele grupo também caiu 58%, o menor de todos.

Com esses dados em mãos, os pesquisadores investigaram o impacto do sedentarismo (tempo que passamos sentados) no risco de diabetes. Eles descobriram que o risco de desenvolver a doença aumenta 3,4% a cada hora em frente à televisão, independentemente da idade, do sexo ou do tempo gasto com atividade física.

“Esses resultados são importantes, pois eles mostram que houve uma redução no tempo que as pessoas gastam vendo televisão, mesmo que essa não fosse uma meta do programa. Talvez, se adicionarmos isso como uma meta das mudanças no estilo de vida, os resultados e benefícios para a saúde venham a ser ainda melhores”, explica Andrea Kriska, professora do departamento de epidemiologia da Universidade de Pittsburgh e uma das autoras do estudo.

Os pesquisadores afirmam no artigo que diminuir o tempo que passamos sentados não substitui os benefícios da atividade física. Por isso, o mais importante é mudar os hábitos sedentários.

TV E RISCO DE MORTE

Adultos que assistem à televisão por três horas ou mais por dia podem ter duas vezes mais risco de morte prematura, se comparados àqueles que assistem menos que isso, revelou uma pesquisa publicada no periódico Journal of the American Heart Association.

Os pesquisadores analisaram os dados de 13.284 espanhóis saudáveis de, em média, 37 anos, para determinar a associação entre o risco de morte por todas as causas e três tipos de comportamentos sedentários: tempo gasto diante da televisão, do computador e do volante. Durante os oito anos do estudo, 97 pessoas morreram, sendo 46 de câncer, 19 de doenças cardiovasculares e 32 de outras causas.

O risco de morte foi duas vezes maior entre pessoas que relataram assistir à televisão por três ou mais horas por dia, comparadas àquelas que viam menos. O mais surpreendente é que não houve associação significativa entre a morte prematura e o tempo dedicado ao computador ou ao volante, outras atividades sedentárias. De acordo com os autores, a conclusão reforça pesquisas anteriores, segundo as quais o tempo gasto diante da televisão está relacionado à maior mortalidade.

“Nossas descobertas sugerem que adultos devem considerar aumentar sua atividade física, evitar longos períodos de sedentarismo e reduzir o tempo gasto diante da televisão a não mais de uma ou duas horas por dia”, afirma Miguel Martinez-Gonzalez, líder do estudo e professor do Departamento de Saúde Pública da Universidade de Navarra em Pamplona, na Espanha.

Então, o que está esperando? Da próxima vez que você se perceber atirado no sofá, hipnotizado pela televisão, cansado, sem energia, LEVANTE. Dê um basta! Mais ação e menos sedentarismo pode salvar a sua vida.

X