Crescimento pessoal

09/10/2014 11h17

“Sentir amor até chorar”

Pesquisador sintetiza algoritmo para quem busca a iluminação

Por Camila Weinmann, Nosso Bem Estar

CAMILA WEINMANN/ NBE
162 camilaweinmann nbe

David Verdesi palestrou na 2ª Conferência Internacional de Saúde Quântica

Baixavam as luzes e aumentava a expectativa. Algum desconforto nos fazia remexer nas cadeiras em busca de estabilidade... Talvez num sinal de que logo algo mexeria profundamente com aquela plateia. Todos estavam ansiosos: o que teria para dizer este homem, com ditos superpoderes? Como poderia apresentar numa palestra de 50 minutos a síntese de todos os caminhos da iluminação?

Sua proposta era ousada. Estava lá, na descrição do programa da 2ª Conferência Internacional de Saúde Quântica: “David Verdesi estudou com cerca de 40 mestres notáveis. Gera com seu corpo um tipo especial de energia, que se sente como uma corrente elétrica. Sintetizou um algoritmo com o qual é possível reproduzir resultados provocados por métodos antigos das tradições mais díspares.”

Intrigante, no mínimo. Confesso que meu lado “pesquisadora” ficou aguçado. Bloco e caneta a postos... queria apreender todas as informações daquele cientista, que baseou seus estudos “na interação recíproca e geração de 33 elementos essenciais divididos em 5 grupos e quatro modalidades”. Imaginem! Usando o tal do algoritmo seria possível sentir efeitos iguais aos gerados em práticas tântricas ou xamânicas. Estava curiosa para saber como!

Além do “eu”

Verdesi sentou na cadeira confortavelmente. Falou pouco. Fez pausas reflexivas. Não citou números. Contou histórias. A sua, e a de algumas pessoas que o marcaram com sua luz. Dos mestres com quem aprendeu as técnicas mais incríveis, como a manipulação dos elementos, por exemplo, quem ganhou todo o destaque na palestra – e na vida de David! - foi uma mulher de ensinamentos simples: Madre Teresa de Calcutá.

O que há em comum em todas as tradições que ensinam o caminho da iluminação? O amor. Não o amor egoísta baseado no “eu quero”. Mas aquele que é expresso através do seu dom. É o que, segundo Verdesi, Madre Teresa chamou de “graça”. Aquilo que você tem de melhor a oferecer, que pode ser a coisa mais simples, que quando disponível pode servir de auxílio ao seu semelhante.

“Eu desenvolvi minha energia ao máximo, aprendi a fazer ela fluir para frente, para trás, abrir os meus chakras, ter capacidades super humanas... Me alimentava só do que era 'puro', me sentia 'limpo'. 'Eu', 'me', 'meu'. Tudo isso ainda servia a esse vício que temos, de alimentar esse 'eu'. Precisamos reconhecer que essa busca por paz é porque nós mesmos precisamos dela. Para transcender o nosso egoísmo, que ainda nos mantém solitários e orgulhosos”.

A fala de Verdesi mexeu profundamente com o público. Em primeiro lugar por nos colocar em contato com a “primeira nobre verdade” ensinada pelo Buda. A realidade do sofrimento. Todos sentimos dor e por isso buscamos, seja lá o que for. E então, conscientes dessa verdade, podemos trabalhar juntos para eliminar suas causas, simplesmente colocando amor em tudo que fazemos.

Só o amor liberta

“Quando paramos de girar em torno de nós mesmos, passamos a viver e a ver”, disse ele, me fazendo lembrar da frase do educador Marcelino Champagnat: “Quereis ser feliz? Procurai fazer felizes os outros.” Seria essa a fórmula mágica que David Verdesi prometeu apresentar?

Seu discurso não apresentou nenhum algoritmo. Não ensinou nenhuma técnica espetacular de expansão da consciência. Mas mostrou cenas de doação e entrega ao outro, lembrando que todos somos dotados de dons capazes de aliviar os sentidos daqueles que sofrem. Transmitiu uma lição clara: só o amor pode liberar o ser humano do sofrimento e ajudá-lo a sair da roda do karma.

Na dor, somos todos iguais. Foi no serviço junto aos enfermos, na Índia, que Verdesi diz ter alcançado a conexão mais profunda com a sua realidade amorosa, ligada a uma força muito maior. E então se sentiu realmente feliz pela primeira vez. Em uma meditação inédita, silenciou aquele “eu” cheio de desejos enquanto trabalhava por seus irmãos.

Da mesma forma, ao ouvir suas palavras, algo calou-se em mim e em todos no auditório. Qualquer busca, qualquer estado que se queira alcançar. E então pudemos sentir, na prática, o maior ensinamento compartilhado na palestra, na mensagem do mestre que ensinou Verdesi: “você deve sentir o amor no seu coração, até chorar”. Se esse é o estado de iluminação, nós o experimentamos naquela manhã.

Para brindar o leitor com um pouco desta emoção, compartilhamos aqui um vídeo exibido por David Verdesi em sua palestra. “Mais do que inteligência, precisamos de afeição e doçura... O povo tem o poder, o poder de criar máquinas, o poder de criar felicidade. O poder de tornar a vida livre e bela, para fazer dela uma aventura maravilhosa. Então, em nome da democracia, vamos usar esse poder, vamos todos unir-nos!”

O grande ditador (Charles Chaplin, 1940)

Fontes: Redação Nosso Bem Estar, David Verdesi – www.davidverdesi.weebly.com, 2ª Conferência Internacional de Saúde Quântica – www.cisq.com.br

X