Família

29/08/2014 14h36

Emoções emanadas pelos pais na hora da concepção ficam registradas no DNA

Teoria inspirada na nova biologia fala da importância do início da vida

Por Nosso Bem Estar

AZMAL/ ISTOCKPHOTO/ NBE
147 azmanl istockphoto nbe

A criação de uma humanidade amorosa depende da gestação

“Se os estados investissem mais nas condições de concepção e gestação, em apenas três gerações poderiam se fechar as penitenciárias e hospitais.” Esta contundente afirmação resume a teoria da concepção consciente, que estimula uma preparação para homens e mulheres que desejam trazer ao mundo uma criança. O processo que antecede a geração de uma vida deve incluir desde uma nutrição adequada até o desligamento de traumas que vêm sendo transmitido por várias gerações.

Segundo a Ciência do Início da Vida (CIV), teorizada pela médica psiquiatra Eleanor Madruga Luzes, as emoções emanadas pelo pai e pela mãe na hora da concepção, quando surge a célula-tronco, ficam registradas na estrutura do DNA. “Por isso é preciso haver muita harmonia nesta hora”, afirma Eleanor, que é doutora em psicologia e escreveu a tese “Necessidade do Ensino da Ciência do Início da Vida”.

De acordo com ela, que também é analista junguiana há 31 anos e trabalhou com obstetrícia, “tudo o que você não sabe que lhe aconteceu quando você foi concebido e gestado está escrito na sua célula, no seu inconsciente”. Inspirada na chamada “nova biologia”, a terapeuta defende em sua teoria que o DNA é como uma antena que emite e recebe radiação na frequência de 150 hertz (a mesma de todos os meios de comunicação). Portanto, as vibrações são transmitidas não apenas entre as células e os seres, mas também de cada pessoa para o seu meio e vice-versa.

O trabalho, um tanto incomum aos padrões acadêmicos, reúne mais de 2 mil referências bibliográficas de diversas áreas científicas. Foram mais de 20 anos de pesquisa também da arte e das tradições, observando o que elas têm em comum quando falam de preparação para uma maternidade e paternidade conscientes, concepção, gestação, parto natural, aleitamento materno e os três primeiros anos de vida.

Trata-se de saber como ter um filho com uma saúde plena física, mental e espiritual. Um ser pacífico e com grande amor próprio, que pode ser a garantia de uma humanidade amorosa, fraterna e autossustentável.

Assista a videoaula sobre concepção consciente.

O DNA como matriz emocional

A partir da descoberta dos neuropeptídios, as moléculas de emoção que ligam os sistemas nervoso, endócrino e imunológico, compreendeu-se que os sentimentos negativos que recebemos no começo da vida marcam a produção desses neuropeptídeos, funcionando como uma espécie de droga. “As pessoas buscam de forma inconsciente situações que a liberem para tê-la no corpo”, comenta a especialista.

Ela destaca que as moléculas de emoções negativas tendem a se reproduzir. Quando alguma questão sentimental se torna um problema, passa a se repetir até que a solução seja encontrada. “Esta repetição nada tem a ver com masoquismo, e sim com ampliação da consciência, pois aí ocorre uma transformação.”

No livro “A Biologia da Crença”, que sintetiza as descobertas da nova biologia, Bruce Lipton cita a existência de um “gen transfer”, que modifica o ambiente a partir das células que emanam de cada corpo. Portanto, quando algum padrão é modificado, ele não transforma apenas a sua prole, mas também o meio social, para que todos os organismos evoluam juntos.

“O DNA é uma molécula bastante complexa. Alguns dissidentes do projeto genoma contam que ele é um supercondutor orgânico, com capacidade de armazenamento equivalente a 3GB. Do total, só 10% condicionam caracteres físicos. No momento específico da concepção é que esta molécula é  impressa”, informa Eleanor.

A Ciência do Início da Vida aborda ainda a importância da nutrição antes da concepção, que altera o padrão genético da criança. Chama a atenção para o perigo do uso de álcool, drogas e transgênicos no período de fecundação. Os agrotóxicos também são considerados de alto risco, pois seu armazenamento nas células é cumulativo e só sai do organismo da mulher através do leite.

Por uma geração saudável

Um trabalho feito na Índia há quase 40 anos e publicado em 2002 com o título "The Emotional World of Fetus - Revealing Fetal Psychology" (O mundo emocional do feto – Revelando a psicologia fetal), verificou na prática o resultado da preparação proposta pela CIV. Os pesquisadores acompanharam 6 mil casais, que quando decidiam ter filhos eram orientados a fazer treinamento de meditação e imaginação. Apesar de ser uma região muito pobre, 70% das crianças tinham qualidade de temperamento e inteligência socioemocional muito superior às demais.

No Ocidente, além da disseminação de dietas de desintoxicação, diversas técnicas quânticas têm sido utilizadas para o trabalho chamado de "limpeza da matriz emocional". São práticas terapêuticas que causam transformações rápidas. Entre estas terapias estão a respiração holotrópica, que tem experiências documentadas com mais de 10 milhões de pessoas, a terapia crânio sacral, a biossíntese e a constelação familiar.

Muitas vezes problemas de gerações passadas bloqueiam nossas ações. Porém, mexendo no padrão vibracional, pode-se obter curas de toda uma linhagem ancestral. “Em uma ou duas sessões as pessoas chegam em suas matrizes e se libertam de memórias relacionadas aos períodos de gestação, parto e infância”, conta Eleanor.

Leia a tese completa sobre a Ciência do Início da Vida.

Gestação anunciada

Muitas tradições antigas, originadas em diversas regiões do planeta, já falavam em uma preparação necessária antes de dar à luz um ser. Livros tibetanos com mais de mil anos descrevem o processo de geração da vida e suas condições embriológicas. Hoje a ciência comprova que, quando um feto se desenvolve, ele vivencia toda uma história da evolução das espécies.

Os Vedas, primeiros textos sagrados que a humanidade teve conhecimento, abordam a importância de fatores como estado de espírito e alimentação, que condicionariam a energia do espírito que iria encarnar. O Bhagavad-Gita anuncia inclusive uma era em que enfrentaríamos tempos difíceis por consequência da falta de cuidado na concepção, fazendo com que nascessem mais demônios do que deveria.

Outra marca dos heróis da história civilizacional é a criança anunciada. Em uma estrutura mítica que se repete em diversas culturas, a mãe é avisada da vinda de um ser com condições especiais para trazer ao mundo uma mensagem de transformação. É o caso de Hórus, Cristo, Buda e outros avatares de origem maia, grega e egípcia.

Na Bíblia são inúmeras as referências de gestações anunciadas, contendo inclusive orientações nutricionais. No judaísmo, os ensinamentos sobre conduta presentes no Mishné Torá alerta para a relevância daquilo que os pais falam na hora da concepção, pois ficaria impregnado no filho. Na tradição do bardo tibetano, a leitura de textos recomendados para espíritos desencarnados indicam a procura por pais que ofereçam condições genéticas mais harmoniosas.

Fonte: Videoaula com Eleanor Madruga Luzes, Ciência do Início da Vida - www.cienciadoiniciodavida.org

X