Bem-estar

09/04/2019 08h00

Hashtag ‘dolorido’

Crescem os casos de tendinite e lesões na coluna cervical, causados pela má postura e uso contínuo de smartphones e tablets

Por Filipe Marcel

Nosso Bem Estar
Sec abr ist 9875 07821

Hashtag ‘dolorido’

Você já se deu conta de que manuseia seu telefone celular por até 150 vezes em apenas um dia? E pensar que antes ele era usado apenas para ligações que duravam poucos minutos.

Com o avanço da tecnologia, estes aparelhos se tornaram ‘smartphones’, permitindo seu uso em conjunto com a Internet, aplicativos de interação e plataformas multimídias. Os famosos ‘tablets’ atualmente cabem na palma da mão, e são bastante eficientes. Porém, tanto tempo destinado aos celulares pode custar caro à saúde.

De acordo com uma pesquisa recente feita pela Deloitte Brasil, os jovens entre 18 e 24 anos são os mais afetados pela crescente onda de casos de tendinite e problemas na coluna cervical. Assim que chegam aos hospitais e clínicas, eles confessam passar de quatro a cinco horas por dia manipulando estes aparelhos.

Especialistas alertam que, ao flexionarmos a cervical para frente,  há uma diminuição no espaço entre as vértebras, aumentando a pressão nos discos intervertebrais. Resultado: dores musculares, desconfortos na região do pescoço e até mesmo hérnias de disco, dependendo da pessoa. Portanto, preste bem atenção na postura e tente reduzir o tempo de uso do celular.

Só para você ter uma ideia, a cabeça de um adulto pesa cerca de cinco quilos quando na posição normal. Quando nos inclinarmos para observar a tela do smartphone, há uma sobrecarga de 15 a 25 quilos na coluna cervical, dependendo do ângulo. Assustador, não?

E o perigo para a saúde é ainda maior: além de sustentar o equivalente a uma melancia no pescoço, a pessoa que faz uso inadequado do dispositivo, afeta outras regiões do corpo. Os ombros podem sofrer com o esforço por segurar o aparelho na mesma posição por muito tempo; mãos e dedos por causa dos movimentos repetitivos da digitação.

Segundo o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), em dois anos, aumentaram em 40% as queixas sobre problemas na coluna e dores nas mãos, relacionados a dispositivos móveis.

Geração de corcundas

Conhecida como ‘text neck’, a ‘síndrome do pescoço de texto’ é a mais nova inimiga da coluna vertebral. Essa má postura com a cabeça flexionada para baixo, na direção do queixo, é o fator que mais preocupa os médicos.

A dor no pescoço é o primeiro dos sintomas, e pode vir acompanhada de deformações posturais, chegando à formação de corcundas. Isso acontece quando a coluna tenta se adaptar ao novo peso constantemente exercido sobre ela, buscando posturas que não a sobrecarreguem tanto.

Para evitar que isso aconteça, mantenha o aparelho na altura dos olhos e apoie o braço em uma superfície estável na hora de digitar. Outra dica é fazer exercícios de alongamento regularmente; estes ajudam a aliviar a tensão no pescoço. Comece com um simples movimento de “sim” e “não” com a cabeça, evoluindo para posturas de yoga, como a ‘balasana’ (postura da criança) e a ‘bitilasana’ (postura da vaca).

Fique atento(a) aos primeiros sintomas de problemas originados pelo uso inadequado do celular: cefaleia (dor de cabeça), dor na coluna cervical, costas, ombro, rigidez muscular (em geral resultante de um espasmo muscular e ombro dolorido), e formigamento ou dormência de membros superiores nos casos mais graves.

O Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas de São Paulo, através do ortopedista Mateus Saito, alerta que podemos imprimir um ritmo ou carga em nossos dedos, muito maior do que eles podem aguentar, gerando lesões conhecidas como ‘texting tendinitis’. Essa é mais uma síndrome que acaba de ganhar nome e sobrenome.  

Um estudo feito com 140 universitários canadenses, mostrou que 84% apresentavam algum tipo de dor. O mais afetado foi o polegar. O relatório ainda apontou que o uso do navegador (ou ‘browser’) aumentou em 2,21 vezes as chances de desenvolver dor no polegar, quando comparado com usuários de celular sem Internet. "Para cada clique que o polegar realiza, há um movimento de extensão que, após várias mensagens, acaba por causar microlesões no tendão extensor, que se inflama", explica Saito.

Alô, está me ouvindo?

Alguns ortopedistas recomendam que, ao receber uma ligação, a pessoa evite apoiar o aparelho apenas no ombro. É importante manter a coluna ereta. Quando na rua, mantenha o abdômen tenso e não flexione a coluna. Orientações adicionais: não digite por mais de dez minutos seguidos ou redija textos longos nestes aparelhos. Eles não são ergonomicamente projetados como os teclados de um computador. Ative o recurso ‘completar palavras’ e aumente o tamanho da letra nas mensagens; dicas que otimizam tempo, visualização e reduzem a necessidade de inclinação da cabeça. É importante também evitar digitar com a mesma mão com a qual está segurando o celular.

Se ainda assim você precisar passar horas diante do celular, respondendo dezenas de e-mails, navegando na Internet e garantindo presença nas redes sociais, procure utilizar aplicativos como o ‘Text Neck Indicator’, disponível para iOS e Android. Você também pode recorrer a programas como o ‘WhatsApp Web’, que emula o aplicativo diretamente na tela do seu computador ou notebook, e possibilita que você leia e responda mensagens com o teclado físico, o que é menos prejudicial à sua postura.

 

 

 

 

X