Crescimento pessoal

16/08/2018 09h15

Eu sinto muito, me perdoe, eu te amo, sou grato!

Conversamos com o Dr. Ihaleakala Hew Len, um dos principais nomes do Ho’oponopono, método havaiano que tem ajudado milhares de pessoas a fazerem as pazes consigo mesmas e limpar o caminho para uma vida com mais amor e compaixão

Por Filipe Marcel

Pixabay
Images (2) (1)

O método Ho’oponopono se propõe a curar. outras pessoas a partir da nossa própria cura.

Desenvolvido por Morrnah Nalamaku Simeona (1913-1992), uma descendente direta dos nativos Kahuna, o método Ho’oponopono se propõe a curar outras pessoas a partir da nossa própria cura. Foi dessa maneira que um dos principais discípulos dela, o Dr. Ihaleakala Hew Len, conseguiu curar um pavilhão inteiro de presos de alta periculosidade no Hospital Estadual no Havaí, na década de 1980. Para isso, ele aplicou os 12 passos do processo e as palavras chave do Ho’oponopono (eu sinto muito, me perdoe, eu te amo, sou grato) sobre as fichas de cada paciente. Os resultados descritos durante os quatro anos que ele se dedicou a fazer isso são no mínimo impressionantes, começando pela redução na quantidade de medicamentos, passando por pacientes recebendo alta, até o fechamento completo da unidade.

Hoje vivendo recluso em uma ilha do Havaí, Hew Len falou com exclusividade para o Nosso Bem Estar sobre a origem do método, a importância de reconhecer que fazemos parte de uma consciência maior e reforçou que todas as nossas experiências são diretamente afetadas por nossas ações e reações, ou seja, somos responsáveis por tudo que experimentamos. Dessa forma, o Ho’oponopono, que pode ser traduzido como “corrigir um erro”, ou “acertar o passo”, utiliza alguns comandos que funcionam como uma espécie de senha para o universo, atuando diretamente na nossa mente inconsciente e limpando tudo aquilo que nos atrapalha.

Nosso Bem Estar – De que maneira as palavras utilizadas pelo Ho’oponopono atuam na vida de uma pessoa?

Hew Len – Não se trata de um canto estúpido de palavras, mas sim de um esforço contínuo para conseguir se comunicar com a Divindade dentro da própria alma. Tudo começa com expiação, dizendo: "Eu sinto muito. Por favor, me perdoe por qualquer coisa que não seja amor". Não conhecemos nada de verdade e, por isso, devemos viver com esse sentimento de amor e gratidão a todo momento, com cada pessoa, coisa e lugar. A partir desse ponto de vista, tudo é consciência. Sem exceções.

NBE – Como são dados os primeiros passos nesse processo de cura?

HL - Há muita dor e sofrimento onde poderia haver amor e cuidado. Para experimentar o paraíso na terra, comece com a limpeza para ser você mesmo. O processo de limpeza serve justamente para ajudar você a entender que, quando você utiliza o método e as orações, você está assumindo responsabilidade e também fazendo as pazes. A partir disso, aplique a limpeza em todos os pensamentos, pessoas, lugares e coisas que acontecem com você ao longo do dia.

NBE – De que maneira podemos limpar o passado?

HL – Muitas pessoas acessam suas memórias em vários momentos de suas vidas, seja no trabalho, na educação dos seus filhos, até nos exemplos que escolheram seguir. O Ho’oponopono se propõe a corrigir alguns erros de percepção, que geralmente determinam o que fazemos. Se percebermos que estamos sozinhos e separados do Divino, nossa vida é cheia de insegurança e medo, pois é muito difícil resolver problemas com soluções antigas ou apenas utilizando as recordações, ou repetindo velhos hábitos. Por isso, essa nova percepção nos torna mais inteligentes, principalmente no momento da solução de novos problemas. Diga “me desculpe”, “por favor, me perdoe”, “obrigado”, “eu te amo” para o que vier à mente. Se você sabe que somos todos um, então, o que você faz, reverberá em toda a criação.

NBE – No que esse método se difere dos mantras, ou repetições de palavras apropriadas para alcançar um tipo de benefício específico?

HL – Chamar essa prática de "mantra" é um mal-entendido. O foco deste processo é o “eu". O que é transmutado dentro do ser é benéfico para todos. A ênfase está em assumir 100% da responsabilidade, o que significa explorar a capacidade da pessoa em responder a tudo o que é experimentado e fazer as pazes com a Divindade dentro dela, seu eu superior.

NBE – Quando assumiu a responsabilidade pelos internos do hospital psiquiátrico do Havaí, não demorou muito para que todos se beneficiassem. O que foi necessário para alcançar este resultado?

HL - A responsabilidade que assumi não foi pelos presos, mas sim para os pensamentos, julgamentos, medos, expectativas e suposições realizadas por mim. Eu deixei esses sentimentos irem embora até que eu estava no zero, não sentia mais nada. A partir disso surgiram novas possibilidades e ações que pareciam mudar o status quo daquele lugar.

NBE – Que tipo de pedidos mais chegam ao seu conhecimento e como você vê essa responsabilidade de curar outras pessoas?

HL - O processo de limpeza pode ser aprendido e usado por qualquer pessoa. O que eu ensino é a abraçar cada pessoa, lugar e pensamento com amor e gratidão, sendo que isso, por si só, nos ajuda a sentir as nossas próprias vidas de uma maneira melhor.

NBE - Poderia explicar um pouco mais sobre "assumir responsabilidade"? O que tem a dizer para essas pessoas que trabalham diretamente com a cura de outras?

HL – Fazemos parte de uma consciência, por isso, antes que nossos lábios se movam para dizer qualquer coisa aos outros, ou nosso corpo se mexa para fazer uma ação, devemos nos limpar para que essas nossas ações e palavras estejam, de alguma forma, conectadas com a fonte da vida, em vez de estarem ligadas às nossas lembranças do passado e ilusões, ou histórias da mente e manifestações do ego.

NBE - Fazer parte da dor do outro e ser responsável por isso assim que nos tornamos conscientes parece realmente divino. Há algum caso, no entanto, que exija algum distanciamento?

HL - Eu simplesmente limpo e solto, então, estou fora do caminho da Divindade. Toda dor deve ser compartilhada, purificada e extinta. A arte desse processo é escutar, observar, testemunhar sem envolver o ego na solução de problemas a partir das limitações da repetição da memória. Sei que essa ação simples que tomo para limpar, ou que você escolhe para limpar, é importante porque estamos todos conectados na teia da vida. Cada um de nós pode ser responsável por ser luz em vez de repetir memórias.

NBE - Gostaríamos de parabenizá-lo pelo seu compromisso de curar o mundo.

HL - Se o mundo for curado, é porque muitas pessoas experimentam sua verdadeira identidade como amor eterno e aprenderam a deixar o amor guiar seu dia a dia. O céu na terra deve ser a regra e não uma exceção. Obrigado!

X