Família

22/05/2018 09h30

Pets e bebês: a convivência é saudável?

Uma dúvida muito comum entre os novos papais e mamães é: os bebês podem conviver com os animais sem riscos à sua saúde?

Por Nosso Bem Estar

Pxhere | Pixabay
M13

Os pets são companheiros inseparáveis de adultos e crianças.

Os pets são companheiros inseparáveis de adultos e crianças. Sua presença gera um forte senso de responsabilidade e confiança em todos os habitantes da casa e mantêm um vínculo imenso.

Com os pequenos, isso não é diferente. A presença do pet é capaz de estimular o desenvolvimento motor do bebê, além de ser fonte de afeto, amenizador de estresse e atuar como um fator dessensibilizante de alergias futuras.

Quando os pets estão devidamente vacinados, vermifugados e com acompanhamento veterinário, não há problema. No entanto, alguns cuidados são necessários para fazer com que a convivência seja benéfica e saudável. Vamos conversar um pouquinho sobre essa bela e delicada relação.

 

Os benefícios da presença do pet

Geralmente, quando os bebês nascem, eles vêm ao mundo com a certeza de um único laço afetivo: a mãe. Por mais que existam tios, tias, pais, avôs e avós, seu laço inicialmente mais significativo é sempre com a mãe.

A presença do pet serve de ponte para uma interação com os demais moradores da casa. A criança que cresce acolhida por uma família carinhosa e unida, incluindo os bichinhos do lar, é capaz de desenvolver algumas habilidades motoras mais delicadas antes do tempo e emocionalmente, se tornar mais segura e confiante para as pequenas “adversidades”.

E os benefícios não param por aí. Existem estudos controlados que já mostram que, quando a criança cresce ao lado do pet, ela é capaz de desenvolver melhor seu sistema imunológico e evitar doenças alérgicas futuras.

De modo geral, toda a criança deveria ser criada ao lado de um pet, contanto que haja respeito pelas singularidades de cada animal e cuidado para a higienização.

 

Existem riscos?

Um dos maiores medos é que a criança desenvolva alguma doença, principalmente Toxoplasmose. Geralmente, gatos são os maiores vilões da história, principalmente quando são de “vida livre”, mas se seu pet visita regularmente o consultório veterinário, não há muito o que temer. Mantenha rigorosamente os cuidados com a higiene e a saúde dos animais.

 

Que cuidados devo ter para uma interação segura?

A criança deve estar com todas as vacinas iniciais em dia e deve ser introduzida à vida do animal aos poucos, de maneira lenta e cuidadosa.

O mesmo cuidado acontece com os pets. É preciso que eles entendam que, de fato, existe um novo habitante na casa que precisa de atenção tanto quanto ele. Alguns animais até mesmo precisam ser adestrados antes do contato.

Por causa dos passeios dos pets, é comum que eles carreguem pulgas, sujeira ou agentes infecciosos que são capazes de gerar diarreia ou desenvolver doenças, principalmente quando o bebê está na fase de levar tudo para a boca.

Outro ponto muito importante a se considerar é o porte dos pets. Não se deve deixar o bebê sozinho em contato com animais domésticos, principalmente se forem muito grandes. As crianças são muito curiosas e, por conta disso, podem se machucar. Faça com que a interação seja sempre monitorada por um adulto.

X