Bem-estar

03/08/2017 06h30

Por que as pessoas roem unhas?

Leia o artigo de hoje e descubra mais sobre onicofagia, ou seja, o hábito de roer unhas.

Por Nosso Bem Estar

Wikimedia
M33

Onicofagia... você também possui este hábito?

Onicofagia, ou simplesmente, roeção de unhas, é algo que acontece com muitas pessoas que conhecemos. Se você possui esse hábito ou conhece alguém que tem, e não consegue parar, saberá mais sobre o assunto abaixo.

Sinônimo de ansiedade

Quando alguém rói unhas, geralmente isso quer dizer que a pessoa passa por momentos de ansiedade. A onicofagia começa entre os dez e dezoito anos e não é algo feito de forma consciente, ou seja, o indivíduo pratica o hábito de maneira automática, sem perceber.

É muito comum conhecermos pessoas que fazem isso pela vida toda, apesar de que algumas têm o costume somente quando acontece algo ligado às suas emoções. Então, o primeiro passo já está explicado: as pessoas geralmente roem unhas porque estão nervosas, ansiosas ou estressadas e encontraram uma forma de extrapolar seus sentimentos.

Acontece que não é possível generalizar, já que alguns indivíduos que roem as pontas dos dedos fazem isso porque estão entediados, com fome, frustrados ou simplesmente fazendo uma atividade difícil.

De 20 a 30% da população que rói as pontas dos dedos, a maioria é mulher.

Ligado ao prazer dos perfeccionistas

Um estudo de 2015, cientistas afirmam que a onicofagia está ligada ao perfeccionismo. Quem procura perfeição nas coisas nem sempre a consegue, então o costume é uma forma de lidar com as frustrações, irritações, o tédio e a insatisfação em sua rotina.

Também há uma hipótese que afirma haver predisposição genética para roeção de unhas. Isto é, o hábito é comum entre pessoas da mesma família, inclusive em gêmeos.

Quando o hábito persiste

Conhecidas as causas, é preciso lidar com as consequências.  Alguns onicofágicos roem as unhas de vez em quando, mas outros praticamente não conseguem tirar seus dedos da boca, fazem isso em todos os momentos do dia. Já virou um vício.

O problema vai além da estética, ou seja, da aparência das extremidades dos dedos. Pode ser constrangedor para alguém mostrar os dedos a outras pessoas quando as unhas estão excessivamente curtas por causa da roeção.

Então, o hábito de roer unhas pode prejudicar a qualidade de vida das pessoas, além de gerar problemas sociais significativos.

Mas as consequências da onicofagia vão além: as pessoas podem ter complicações na unidade ungueal (da unha) e também na boca, com desgaste prematuro ou deformação dos dentes. E a situação piora se o indivíduo sofrer com alguns transtornos, como déficit de atenção e hiperatividade ou de ansiedade por separação.

Especialistas afirmam que roer unhas não é considerado doença ou distúrbio, levar os dedos à boca pode gerar doenças, já que o ambiente úmido propicia a proliferação de bactérias, especialmente porque elas já existem debaixo de nossas unhas.

Além disso, as verrugas presentes nos dedos podem se propagar pela boca, afetando o corpo inteiro. E vem mais problema por aí:

Onicofágicos pode sofrer de paroníquia, uma infecção que acomete a pele ao redor das unhas. Ela é dolorosa e, dependendo da gravidade, pode acarretar cirurgia para correção da situação.

Como deixar de roer unhas

Nós mencionamos que as pessoas que roem unhas fazem isso de forma automática e inconsciente, então é bastante difícil largar o hábito se você não percebe quando o está fazendo.

Há alguns métodos praticados por onicofágicos, como pedir para familiares e amigos alertarem ao verem eles roendo as unhas, ou então utilização de produtos com sabor desagradável nas unhas, como pimenta. Outros ainda lançam mão de métodos mais drásticos, como terapia, pulseira para corrigir vícios e até choques elétricos.

A boa notícia é que a maioria das pessoas que roem unhas é adolescente e o número cai consideravelmente com o aumento da faixa etária. Além disso, muitos conseguem largar o hábito (ou vício) com o passar do tempo, por conta própria, mesmo os que já são adultos.

X