Família

06/06/2017 06h30

Sem Ritalina para estudar, por favor!

O medicamento, comprovadamente perigoso para a saúde, tem sido usado por estudantes. Conheça dicas naturais para melhorar o desempenho nos estudos

Por Nosso Bem Estar

Flickr | Wikimedia
M13 ritalina

Escolha as técnicas adequadas para estudar

A Ritalina, remédio para tratar Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), tem sido bastante utilizado por estudantes, sem a devida indicação profissional. Mesmo quando indicado, pesquisas mostram tratar-se de um remédio controverso. Conheça os perigos que essa prática traz e saiba como melhorar a performance nos estudos sem tomar medidas drásticas.

O risco da automedicação

Um dos tratamentos mais utilizados para o TDAH é a administração de Ritalina. Como todo medicamento, possui efeitos colaterais, mas quando há ingestão por conta própria, os sintomas podem ser mais graves ainda.

Muitos estudantes fazem uso de Ritalina sem prescrição médica para aumentar a sua concentração e melhorar o desempenho nas provas. A prática é bastante comum em concurseiros, pessoas que buscam uma vaga com altíssima concorrência e fazem preparações que são uma verdadeira maratona: estudam de seis a oito horas por dia, por dois ou três anos, por exemplo.

Para suportar essa missão, apelam para o medicamento em questão. Apesar de ser um remédio controlado, conseguem várias caixas de única uma vez no mercado negro.

Os perigos de tomar Ritalina por conta própria são inúmeros: a pessoa poderá ficar irritada e muito ansiosa ou também poderá ficar dopada e anestesiada. Seus batimentos cardíacos aumentarão muito, podendo gerar arritmia. Além disso, ela é considerada uma droga de abuso, por isso sua venda é controlada.

E o pior: você sabia que a melhora na concentração é uma ilusão, algo psicológico, já que o remédio não causa o efeito desejado em quem não possui déficit de atenção?

Pesquisa comprova

Uma pesquisa feita pela Universidade Federal de São Paulo, pela psicóloga Silmara Batistella selecionou 36 jovens saudáveis, na faixa etária de 18 a 30 anos, divididos em quatro grupos. Um deles fez uso de placebo, ou seja, sem princípio ativo, e três grupos ingeriram Ritalina em doses únicas (10, 20 e 40mg). Após a administração do medicamento, todos os jovens fizeram um teste para avaliar atenção, memória de longo prazo e funções executivas.

O resultado: o desempenho dos quatro grupos foi semelhante. A única diferença significativa aconteceu no grupo que tomou a maior dosagem do remédio, que apresentou mais sensação de relaxamento. Apenas isso.

COMO MELHORAR SEU DESEMPENHO NOS ESTUDOS NATURALMENTE

Já que os perigos da Ritalina são um fato e podem trazer sérios prejuízos, principalmente para quem ingere sem prescrição médica; e além disso ficou comprovado que ela sequer funciona em quem não tem TDAH, sugerimos alternativas saudáveis e seguras para melhorar seu desempenho nos estudos. Confira:

1 - Escreva! Leia, mas também escreva bastante. Afinal, a leitura geralmente nos tira a atenção. Ao escrever, consegue-se melhorar a concentração e a retenção do assunto no cérebro. Mas não digite, utilize papel e caneta (ou lápis), porque o processo de escrever as letras é diferente para cada uma delas, e isso ativa as terminações nervosas.

2 - Faça resumos, fichas de anotações, esquemas de disciplina, etc. Faça de conta que você está elaborando uma “cola” para a prova, isto é, seja conciso, mas foque nos pontos principais.

3 – Revise. Não deixe para estudar todo o conteúdo de uma vez. Ao chegar de uma aula, revise o assunto do dia, assim seu cérebro se dará conta de que o que foi aprendido é importante e deve ser memorizado.

4 – Sozinho. Os grupos de estudo podem ser muito bacanas, mas estudar sozinho é melhor ainda. Afinal, é mais fácil se distrair e bater papo com os amigos. Ao final de algumas horas, você estará com dúvidas e textos para estudar. A exceção é quando você ensina alguém, porque somente ouvir é em vão.

5 – Voz Alta. Estude em voz alta, explicando para si a matéria. A sua voz é válida, nesse caso, pois você está se ensinando.

6 – Silêncio. Desligue todos os aparelhos eletrônicos, não ouça música e estude em um local organizado e silencioso.

7 – Descanso. Saiba a hora de parar, disponibilizando tempo para comer, descansar, passear e dormir. Programe suas horas de estudo, mas seja flexível às vezes.

Para finalizar: crie um ritual para antes de estudar. Ao fazer as atividades, seu cérebro saberá que está na hora dos estudos e é possível se concentrar com mais facilidade.

 

X